Vale a pena tomar Ritalina para estudar no seu Concurso Público?

Tempo de leitura: 18 minutos

Milhares de brasileiros desejam e competem anualmente para adquirir vagas públicas em seus municípios ou estados. São centenas de pessoas anualmente se cadastrando e disputando em concurso público as mais variadas vagas para se trabalhar em cargos com os mais diversos benefícios e salários.

A fama dos excelentes cargos é nacional, assim como a dificuldade de se entrar nesses cargos, pois somente é possível ingressar em um cargo público para seu município ou estado fazendo as diversas provas de concurso público que ocorrem somente com a necessidade de preenchimento da vaga.

Essas provas de concurso público são famosas por serem complicadas, e com amplo conteúdo. É impressionante quantas pessoas anualmente competem por vagas de concurso público, afinal, as provas são densas e complexas, algumas possuindo diversas fases.

É obvio, mas ainda válido mencionar que as provas de concurso público são extremamente diferentes, variando de acordo com o cargo que é desejado. Cargos mais complexos, que envolvem jurisdição, bilinguismo, entre outros, possui as provas mais difíceis, durando até dias de avaliações contínuas para verificar a adequação do prestador de concurso para a vaga.

É também obvio que essas vagas mais complicadas possuem os mais diversos benefícios e salários, e trabalhos amplos para todo o Brasil, e até o mundo. Vagas de Analista Fiscal por exemplo, tem por todo o Brasil, em cada aeroporto ou porto, e ainda nos ministérios em Brasília.

Outro concurso bem disputado é o de diplomata, que trabalha por todo o mundo, necessitando de 3 idiomas base, e compreensão de diversos assuntos como leis e jurisdição internacional, geografia, história, cultura, entre diversos outros. Esse cargo em específico tem sistema hierárquico, e quanto mais tempo se passa nele, maior sua posição na carreira dele.

As provas de concurso pública, apesar de bem disputadas, variam demais sua ocorrência. Quanto menos vagas, menor sua ocorrência, para ser mais específico. Diplomatas e Analistas fiscais são bons exemplos disso.

Outro bom exemplo é o tradutor juramentado, que somente possui um por estado do Brasil, e enquanto ele não sair do cargo ou morrer, não ocorre outra prova.

Cargos públicos mais comuns, podem possuir um salário menor apesar do mesmo acesso aos benefícios de um cargo público, e também sua prova pode ocorrer com mais frequência. Normalmente, cargos mais comuns tem sua prova de concurso público com frequência anual.

O edital de concursos

Quando o candidato for prestar um concurso público, deverá ficar atento as regras presentes para se prestar a tal prova. Essas regras são apresentadas em um edital.

Em um edital de concurso, é possível ver além das regras, horário e tempo de trabalho, além do salário apresentado, além de todo o calendário para um concurso público específico.

Além disso, terá detalhes da ocorrência, matéria e tipo de prova, juntamente com a quantia de questões que serão apresentadas nessa mesma prova, o quais documentos o candidato necessita levar para poder efetuar a prova sem complicações.

Certas provas, normalmente as provas escritas e provas práticas, permitem que os candidatos solicitem uma reavaliação das questões apresentadas.

As provas de concurso público

Justamente pela complexidade das provas de concurso público apresentadas, muitas pessoas buscam estudos específicos, métodos, cursos e professores particulares para esse tipo de situação.

Na busca para facilitar esse árduo caminho para se alcançar um cargo público, o consumo de drogas e remédios entre candidatos para conseguirem estudar efetivamente aumentou bruscamente. Justamente daí que se surgiu o consumo de uma das drogas mais utilizadas pelos concurseiros, a Ritalina.

O que é a Ritalina

Desenvolvida em meados da década de 50 em laboratórios, a Ritalina foi feita para o tratamento de crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (também chamado de TDAH).

Quimicamente conhecida como metilfenidato, e popularmente conhecida e vendida como Ritalina, era somente utilizada para tratamento de crianças, mas começou a lentamente ser popularizada entre adultos.

O diagnóstico do quadro era simples antigamente, e a situação era bem comum. A criança questionava demais tudo a sua volta, se desligava da realidade com facilidade, e vivia viajando em fantasias. Ou seja, a criança dava trabalho.

Ao ser levada a um médico, normalmente um psiquiatra, os pais mencionavam os sintomas, e sem pensar duas vezes, era exatamente isso que o psiquiatra recomendava ao ver que a criança sofria de Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.

O medicamento é forte, e funciona bem. Para crianças hiperativas, o princípio ativo da Ritalina, o metilfenidato, funciona como qualquer outro estimulante, até mesmo a cocaína. Basicamente, ela aumenta a concentração de dopamina nas sinapses do cérebro, fazendo a criança ter um comportamento bem mais brando. A própria medicina define como “zumbi”.

A criança basicamente fica sem emoções, se tornando quase um robô. É um alívio aos pais e ao médico, claro, e pela sua imensa funcionalidade, a droga está sendo mundialmente comercializada e consumida com velocidades alarmantes. O Brasil é o segundo maior consumidor dessa droga, perdendo somente para os Estados Unidos.

O aumento do consumo da Ritalina no Brasil é surpreendente, e tem gerado diversas críticas no mundo da medicina, chegando a atingir a marca dos 1000% de aumento de prescrição desse medicamento para crianças.

O consumo desse medicamento não se limitou a utilização para crianças. Adolescentes começar a utilizar esse medicamento como uma espécie de droga para ser usada em baladas e festas dos mais variados tipos. Lentamente, começou a ser perceptível que esse medicamento poderia ser aplicado em diversas outras áreas, como provas, estudos e até no trabalho.

A Ritalina e a utilização para adultos

O aumento da utilização desse medicamento foi assustador para o mundo da medicina, e começou até a ser comparado com situações semelhantes as diversas situações que originaram o tráfico de algumas drogas e entorpecentes.

Ao chegar no público adulto, a Ritalina não tinha como principal objetivo a utilização para o lazer, mas sim, para melhorar a performance dos que utilizavam para estudos, provas e trabalhos.

Esse mesmo medicamento vem sido cada vez mais usado sem indicação médica, com diversas finalidades. Uma das principais é para uma suposta melhora na concentração durante os estudos, principalmente para quem deseja prestar provas de vestibulares concorridos, e até mesmo concursos públicos.

Graças a toda essa repercussão, a droga foi classificada como ilegal a ser vendida sem prescrição médica, porém ainda é facilmente vendida Brasil a fora em bate-papos e fóruns. Uma simples pesquisa em sites como Reddit, 4chan e Google permitem que se encontre qualquer ponto de venda com facilidade.

Além disso, o aumento crescente do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em casos exclusivamente para adultos surpreendeu a comunidade de medicina global, e aumentou ainda mais o número de vendas desse medicamento tão polêmico e peculiar.

E não é por menos, afinal os efeitos desse medicamento são evidentes a qualquer um que os consuma. Ele é efetivo para praticamente qualquer pessoa, mesmo que ela não sofra de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Impressionantemente, esse é um dos casos que a famosa tarja preta não espanta nem controla o consumo desse tipo de droga.

Apesar do composto químico metilfenidato potencializar a ação dos neurotransmissores noradrenalina e dopamina e reduzir o estado clínico chamado de déficit de atenção, o indivíduo somente ficara em um estado mais atento e concentrado.

Ou seja, a ação da Ritalina somente auxilia na concentração, o que leva a muitos prestadores de concurso acreditarem que atingiram um estado de melhor aquisição de informação. Isso é uma falsa impressão, a droga não aumenta a capacidade de absorver informação, e não existe uma real vantagem na utilização dela enquanto se estuda para concurso público.

A Ritalina no Brasil e no mundo

Não são poucas as pessoas no ramo da medicina que dizem que a utilização de Ritalina, até mesmo para evitar e tratar o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em crianças não é uma ideia sábia da medicina.

A situação do aumento alarmante do uso da Ritalina em escala global, alertou diversos nomes na medicina e os inspirou a debater sobre a utilização dessa droga em um tratamento neurológico como o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, implorando para que pais e médicos busquem outras saídas e alternativas ao invés da utilização dessa droga.

A professora da Unicamp do Departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas, e ainda pediatra em exercício, Maria Aparecida Affonso Moysés alerta com gravidade que a utilização de Ritalina pode gerar o risco de um possível e futuro genocídio.

De acordo com ela, utilizar Ritalina em crianças significa manter o mundo como está atualmente. Basicamente, sem sonhos e questionamentos, as crianças não buscam a mudança necessária no mundo. Ela afirma que se essa droga tivesse sido inventada e utilizada antes, não estaríamos com tantos avanços globais constantes.

O fato da utilização da Ritalina ter crescido tanto, reflete um problema muito maior social e cultural do que qualquer ponto relacionado a medicina. Sua utilização crescente é devido a uma demanda global e exigência profissional, social e financeira, afetando inicialmente a fase de desenvolvimento de crianças que naturalmente costumam sair desse rumo.

Com a diminuição da convivência constante na rua e do tempo ocioso da criança, lentamente se foi eliminando o convívio social natural dela, e a forçando a participar de diversas atividades corriqueiras. E justamente quando o excesso de atividades não funciona para saciar os desejos e vontades de socializar e crescer da criança, a última opção é a polêmica utilização da Ritalina.

O crescimento desse comportamento, junto a negação de cuidados caseiros pelos pais causou o aumento de diagnósticos de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em crianças, que juntamente resultou no crescimento do mercado da Ritalina em todo o mundo.

Porém, recentemente, a Ritalina foi retirada de circulação do mercado, num movimento de especulação normalmente feito para aumentar o preço do medicamento indiscriminadamente, somente com fins financeiros.

Com a retirada do mercado, diversas famílias entraram em pânico, e as consequências foram dramáticas. Afinal, esse medicamento causa dependência química em quem o utiliza. Se a criança já desenvolveu a dependência química, ela pode sofrer uma crise de abstinência e enfrentar sintomas como insônia, piora da atenção, surtos psicóticos e até alucinações.

Esse medicamento também foi descoberto por inibir o apetite, sendo então utilizado por muitas pessoas com o intuito de emagrecer com maior facilidade. Os efeitos da Ritalina no corpo são diversos.

Efeitos da Ritalina

O medicamento não é também uma solução milagrosa para todos os problemas causados por transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Basicamente, habilidades, competências, padrões no comportamento e hábitos são todos desenvolvidos com o passar dos anos, por processos conscientes ou inconscientes de aprendizado e treinamento cerebral.

Devido as alterações que o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade causam ao processo de aprendizagem de uma pessoa, especialmente na fase da infância, todo o processo de se aprender novas coisas é extremamente comprometido.

Ao se introduzir o medicamento da Ritalina na rotina de uma pessoa, as capacidades de controle da atenção e de se focar em atividades executivas melhoram. Isso é somente o suficiente para auxiliar no aprendizado, porém, não ajuda por exemplo a desenvolver novas habilidades, reconstruir ou construir novos hábitos, alterar o comportamento, entre outros.

Para o tratamento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade o remédio é bom a curto e médio prazo, porém não a longo prazo. Porém, para a utilização desse mesmo medicamento em adolescentes e adultos, os efeitos são mais fracos e diminuídos.

Para adolescentes, ela costuma ser usada ou para emagrecer, ou como uma droga para festas e baladas, por deixar a pessoa mais desinibida e se sentindo mais “livre”. Outros ainda a utilizam para conseguir efetivamente passar em provas e vestibulares.

Porém, para adultos, a droga tem os efeitos mais brandos. Ela simplesmente auxilia na atenção e foco, mas na fase adulta normalmente já se tem formado e internalizado seu comportamento, manias, hábitos, habilidades, e a alteração deles é um processo muito mais longo e complicado.

Não vale a pena utilizar essa droga somente para o foco e atenção. Os riscos são grandes, e o benefício é muito brando para que ela se torne um hábito na vida de quem a utiliza.

Estranhamente, é cada vez mais comum encontrar essa droga em faculdades de medicina, cursos para vestibulares, concursos públicos, e até em grandes empresas, sendo conhecida como uma “pílula da inteligência” devido sua capacidade de aumentar a concentração e disfarçar o cansaço do corpo.

Efeitos secundários e colaterais do uso da Ritalina

Assim como todo e qualquer produto farmacêutico, a Ritalina tem efeitos colaterais diversos com seu uso, que podem ou não vir a aparecer no corpo de quem a toma regularmente, ou até já no primeiro uso desse potente e polêmico medicamento que normalmente é usado mais como droga impulsionadora.

Apesar do relato de alguns pacientes dizendo que os efeitos negativos são brandos, ou ainda valem a pena mesmo pois os efeitos positivos são muito bons, é necessário levar em conta que essa droga causa dependência química, então os relatos já estão automaticamente deturpados pela necessidade constante do uso dessa droga por essas pessoas.

Os efeitos colaterais ou efeitos secundários da Ritalina não aparecem em todas as pessoas que são submetidas ao seu tratamento ou consumo, e alguns dos efeitos são considerados graves e devem ser o mais rápido possível comunicados a algum médico.

Outros efeitos mais brandos, ou menos graves também necessitam ser comunicados a um médico, porém não é necessário urgência nesse caso. Somente espere a próxima consulta e não esqueça de mencionar o caso.

A Ritalina é um medicamento potente e um químico forte, justamente por isso é sempre bom mencionar que é necessária cautela na sua utilização e ela nunca deve ser consumida sem o auxílio ou recomendação de um médico profissional prescrever ou indicar seu consumo. Além disso, sua venda é proibida sem a prescrição, sendo a compra e consumo então um crime.

É bom mencionar que é muito comum o nervosismo e a insônia como reações adversas no início do tratamento do paciente de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade com a Ritalina, mas esse sintoma é facilmente controlado pela redução da dose ou até pela omissão da dose nos horários da tarde ou da noite.

Como mencionado anteriormente, a diminuição do apetite também é um sintoma muito comum, e essa droga já até foi utilizada justamente com o intuito de emagrecer, apesar de não ser um dos efeitos que a droga busca, e também não é considerado um efeito desejado ao se ingerir ou se tratar com essa droga.

Justamente por isso, ao corpo se acostumar com a droga, esse efeito pode desaparecer, e é considerado somente um efeito transitório para se acostumar com os efeitos da droga.

Juntamente com a falta ou diminuição do apetite, é comum no início do tratamento, dores abdominais e no corpo, náuseas, enjoos e vômitos, ocorrendo normalmente somente no início do tratamento, sendo recomendado tratar esses sintomas somente com mudanças nos ritmos e horários da alimentação, e nunca com ingestão de demais drogas.

A mistura de químicos com outras drogas pode ser muito grave, então não trate os sintomas e efeitos colaterais do tratamento com Ritalina com outras drogas jamais.

A Ritalina é conhecida por poder causar distúrbios no sistema linfático e no sangue de quem a toma com frequência, podendo resultar em anemias, ou em casos mais raros, leucopenia (redução de leucócitos dentro do sangue do paciente) e trombocitopenia (condições relacionadas a redução e baixa quantia de plaquetas no sangue).

Justamente pela possível Leucopenia, o medicamento também é conhecido por causar distúrbios ao sistema imunológico e podendo resultar na hipersensibilidade da saúde do paciente.

Em usos prolongados foi documentado uma redução moderada do ganho de peso, principalmente em pacientes crianças.

Alguns pacientes sofrem com distúrbios psiquiátricos, dentre eles a hiperatividade, e até a psicose muitas vezes junto a alucinações visuais e tácteis. Não é incomum a documentação de uma transitória depressão dos pacientes que utilizam a Ritalina.

É comum pacientes sofrerem de alguns distúrbios do sistema nervoso, resultando em sonolência e tontura. Dores de cabeça e enxaquecas (cefaleias) também são comuns no tratamento de Ritalina. Movimentos involuntários e anormais (discinesia) também já foram documentados com uma certa frequência.

Alguns outros distúrbios neurológicos são mais raros, porém existe a documentação de convulsões e tiques (mesmo a exacerbação de tiques que já existiam antes do tratamento), movimentos coreoatetoides, distúrbios vasculares no cérebro, vasculite, hemorragia cerebral e até possíveis acidentes.

Não é incomum a documentação de distúrbios visuais em certos pacientes, resultando em visão embaçada, e dificuldades na acomodação da visão.

Esse medicamento é contraindicado para pessoas com tendências a doenças cardíacas, pois ele pode causar arritmia, palpitações e taquicardia, além de alterar a pressão e ritmo arterial. Pacientes hipertensos não devem tomar Ritalina, pois ela aumenta muito a pressão sanguínea com consumo e tratamento constante. Raramente, causa também dores no peitoral e coração.

Já foi mencionado anteriormente que é muito comum distúrbios gastrointestinais com o consumo constante de Ritalina, causando dores na região do abdômen, náuseas e enjoos, além de vômitos, e a possibilidade de sentir com maior frequência a boca ficando seca.

Para quem possui problemas no fígado, o remédio também é contraindicado. Ele por si pode causar funções hepáticas anormais, podendo causar o aumento de transaminase e em casos mais raros e graves, podendo resultar até mesmo em um coma hepático.

Problemas na pele como erupções cutâneas, febre e queda de cabelo são comuns no início do tratamento. É possível também que ocorra urticárias, dermatite esfoliativa, e prurido, além de púrpura trombocitopenia, relacionada a perda de anticorpos no sangue, mencionada anteriormente.

Perda do controle dos movimentos do corpo e da fala já foram documentados, e devem ser imediatamente levados a um médico.

A Ritalina também é capaz de causar graves alterações de humor nos pacientes em tratamento, podendo causar até mesmo pensamentos e levar a atos suicidas por suas condições psicológicas de uso, como a alteração de percepção e alucinações. Nunca se deve medicar e deixar o paciente medicado sozinho, e nunca se deve medicar sem prescrição médica.

Sobre Concurseiro Paulista

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo site Concurseiro Paulista que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.