Saiba quais são as melhores técnicas de estudo para concursos

Tempo de leitura: 19 minutos

Introdução

Estudar para concurso não é tarefa fácil. São tantos conteúdos diferentes que fica difícil determinar o método de estudo mais eficiente para conseguir cumprir sua grade e, claro, ser aprovado no concurso dos seus sonhos. As dúvidas são muitas e não vêm só dos iniciantes, não! Muitos concurseiros veteranos ainda se sentem perdidos e não conseguem se preparar adequadamente para as provas em questão.

Foi pensando em todas essas dúvidas e dificuldades que desenvolvemos esse guia com as melhores técnicas de estudo para concursos. Neste material você irá aprender a estudar de maneira eficiente para concursos usando técnicas como flash cards, mnemônicas e resolução de questões de prova de concursos anteriores.

O guia traz, ainda, um passo a passo completo para te ajudar a executar cada uma dessas técnicas e uma lista com os principais erros que os concurseiros cometem. Para finalizar, avaliaremos a técnica de grifar o livro, respondendo à pergunta que não quer calar: afinal, esse é ou não um bom método de estudo?

Você não vai perder, né? Vamos começar!

1. Como estudar para concurso

Onze entre dez concurseiros devem se fazer essa pergunta diariamente: afinal, como estudar para concurso? A verdade é que não existe regra ou fórmula mágica que faça qualquer pessoa ser aprovada na sua prova de concurso. Mas, algumas técnicas e métodos de estudo se mostram mais eficientes e adequados para memorização e aprendizado do conteúdo, como por exemplo os flash cards, mnemônicas e resolução de provas anteriores.

Porém, antes de enveredarmos pelos caminhos das técnicas de estudo, vamos pontuar algumas dicas e comportamentos que podem te ajudar a aprimorar seus estudos. Confira!

Defina objetivos e metas

Toda ação de grande porte, como começar a estudar para um concurso, deve ter, antes de mais nada, um bom planejamento. E o que não pode faltar num plano de execução? Objetivos e metas.

Ter uma direção é extremamente importante para quem busca uma aprovação em concursos públicos. Além gerar motivação para os estudos, ter um objetivo traz mais foco e permite traçar as melhores maneiras mais conquistá-lo. E, claro, focar as energias em somente um cargo faz suas chances de aprovação aumentarem significativamente!

Por isso, defina claramente qual é o seu objetivo de estudo e tenha uma meta. Exemplo: quero ser aprovado no concurso para o cargo de Promotor de Justiça em (mês) de (ano).

Crie um plano de estudo

Ter um plano de estudo possibilita ao estudante organizar de maneira muito mais eficiente os seus horários, evitando dessa forma tanto a perda de tempo, quanto o excesso de cobranças. Nesse plano, é importante constar todas as atividades diárias: desde afazeres domésticos de menor porte, até mesmo o horário de trabalho, se for o caso.

Com esse panorama traçado fica muito mais fácil, visualmente, identificar os horários disponíveis para o estudo e, então, distribuir os conteúdos ao longo desse período. O ideal é construir um plano de estudo quinzenal, para que o mesmo seja revisto e readequado sempre que houver necessidade.

Intervalos

É muito importante, ao construir o seu plano de estudo, definir claramente os momentos de intervalo. Eles irão te ajudar a oxigenar a mente, aliviar a tensão e melhorar a concentração. Uma boa média de intervalos é de 30 minutos a cada duas horas de estudo. Assim, você conseguirá manter sua mente sempre ativa e o menos cansada possível durante os estudos.

Excesso de cobranças

Tão importante quanto desenvolver um plano de estudos é cumpri-lo, na medida do possível. Isso quer dizer que esse documento servirá como um norteador do seu tempo e estudo, e a forma ideal de integrá-los harmonicamente. Caso não seja possível cumprir o seu plano religiosamente durante todo o período, não se desespere!

É natural, durante o processo, que alguma coisa saia do controle, afinal a vida está em movimento, não é mesmo? Tente retomar o controle da situação, respire fundo e delimite novamente um novo plano de estudos, sem maiores cobranças, neuras ou estresse. A tranquilidade e o compromisso são a chave do sucesso!

Desenvolva o hábito de estudar

Assim como tudo na vida, estudar também é um hábito que deve ser desenvolvido com o tempo. E não tem solução: para conseguir a tão sonhada aprovação naquele concurso, a regra básica é estudar todos os dias. Por isso é tão importante criar o hábito do estudo.

Dessa maneira, seu corpo e mente ficarão cada vez mais nesse “padrão” e rotina, ficando cada vez mais fácil se concentrar no conteúdo a ser aprendido. Mas, mais do que isso, ter o hábito de estudo faz com que a mente fique mais rápida para processar as informações: quanto mais você aprende, mais seu cérebro se exercita e mais rápido fica o aprendizado.

Invista em técnicas de estudo

Os estudos para concursos exigem muita memorização e assimilação do candidato, não é mesmo? São muitos nomes técnicos, leis, números, isso sem falar na quantidade de disciplinas diferentes, ao longo de todo o período de preparação.

Por isso, o método tradicional de estudo, muitas vezes, não é o ideal e não oferece ao estudante todas as ferramentas para potencializar seu aprendizado. Dessa forma, trouxemos para você três técnicas de estudo super eficientes que irão te ajudar a maximizar a memorização e a assimilação do conteúdo, de maneira mais lúdica e dinâmica. São elas: flash cards, mnemônicas e provas anteriores do concurso.

Nos próximos tópicos falaremos mais detalhadamente de cada técnica, mostraremos como cada uma delas pode ser útil na sua caminhada rumo à aprovação e, claro te ensinaremos como aplicá-las no seu dia a dia. Continue com a gente!

3. Saiba como fazer flash cards

O que é o método de estudo com flash card?

Há mais de 100 anos, estudantes norte-americanos e europeus vêm usando o flash card, ou cartão instantâneo, como método de estudo. Resumidamente, trata-se de uma técnica visual e prática de resgate ativo do aprendizado, que utiliza de fichas de conteúdo para potencializar a memorização e a assimilação do que foi estudado.

Formas de aprendizado: resgate ativo x passivo

Antes de continuarmos, é necessário que entendamos as duas maneiras de aprendizado: resgate passivo e ativo. No regaste passivo temos, primordialmente, a leitura como fonte de estudo e conhecimento. Já quando falamos do resgate ativo, o indivíduo é quem constrói uma indagação, responsável por desencadear uma resposta e, consequentemente, memorização, tanto de pergunta quanto de resposta.

Sabendo disso, podemos observar como o resgate ativo é mais eficiente para a potencialização do estudo, uma vez que envolve toda a mente do estudante, fazendo-o entender o conteúdo, formular uma pergunta e, em seguida, desenvolver uma resposta. De maneira ativa, é muito mais fácil fazer com que o cérebro crie conexões que potencializarão o aprendizado, com muito menos tédio e mais eficiência. A técnica dos flash cards, então, é uma das mais usadas para o resgate ativo e, com toda certeza, será de grande ajuda na sua jornada.

Como aplicar o método de flash cards?

A partir dos flash cards é possível fazer uma revisão e memorização frequente, de conceitos e dados importantes de todo o conteúdo. O método se dá da seguinte maneira:

  • Na parte frontal do cartão, temos uma pergunta objetiva e direta, com palavras-chave de memorização, sobre determinado tópico do estudo. No verso, consta a resposta correta para a pergunta.

  • Depois de ter construído todos os cartões referentes às disciplinas, com todos os conceitos-chave e conteúdos importantes, é hora de começar a revisão. Organize os cartões em um monte único, leia a pergunta do primeiro cartão, respondendo mentalmente e, em seguida, confira no verso se você acertou.

  • Se sim, separe este cartão dos demais e continue o processo. No final, você terá dois montes de cartas: um com as respostas acertadas e outro com as erradas. Junte os dois montes colocando a cartas que foram erradas primeiro.

  • Na próxima maratona de estudos, refaça o processo começando pelos cartões que você não acertou na sessão anterior.

Dica: Esses cartões devem ser constantemente avaliados ao longo do estudo. Isso quer dizer que, à medida que novos conceitos forem sendo trabalhados, você deverá incluí-los em cartões e juntá-los ao bloco. Faça o exercício de revisão e memorização todos os dias, independente do tempo de estudo que você disponha. O segredo é justamente a persistência!

Passo a passo: criando seus próprios flash cards

O processo de criação do flash card é tão importante para o processo de aprendizado quanto a revisão e memorização, ao longo dos dias. Confira abaixo um tutorial completo para te ajudar a desenvolver seus próprios flash cards, com a linguagem correta e formato ideal.

1. Monte a estrutura do cartão

O primeiro passo para construir o flash card é definir a estrutura e material do cartão. A dica aqui é dar preferência para um papel de gramatura mais grossa, para não correr o risco de rasgar com o uso. Sugestão de papel: cartolina ou papel cartão.

Selecionado o papel, corte-os em retângulos iguais. Não existe um formato padrão, porém, o interessante é não fazer grande demais, que fique desajeitado para segurar, nem pequeno demais a ponto de dificultar a leitura e não ter espaço para respostas mais complexas. Nossa sugestão é que os cartões tenham, em média,15 x 10 cm.

2. Inclua o conteúdo (perguntas e respostas)

Esse é o momento principal para que seu flash card esteja correto e seu desempenho seja o melhor possível. Na parte da frente, escreva uma pergunta — tenha atenção à sua relevância de acordo com o edital. No verso, a resposta.

Cada cartão deve ter apenas uma pergunta e uma resposta. Elas devem ser construídas de maneira simples e objetiva: nada de transcrever sinopses inteiras ou fragmentos bibliográficos. Quanto menor o texto, mais fácil de assimilar!

Outra dica importante é não se prender ao formato de texto corrido nesse tipo de material. Os tópicos são estruturas menores e mais simples, facilitando a memorização e o aprendizado do conteúdo.

3. Pratique

Tão importante quanto construir o material, é fazer uso prático desse recurso! Faça revisões diárias, tanto nos horários determinados de estudo quanto naqueles horários vagos, entre uma atividade e outra.

Está no ônibus? Que tal tirar os seus cartões da mochila e fazer uma revisão ali mesmo? Isso vale para todos os pequenos momentos livres que temos no dia a dia. Esse é uma forma de otimizar seu tempo e turbinar os seus estudos!

4. Use técnicas mnemônicas para potencializar seus estudos

Afinal, nem só de flash cards vive um concurseiro! O método mnemônico é mais uma ótima ferramenta para deixar seus estudos cada vez mais eficientes e ajudar na memorização de conteúdos. Afinal, decorar é chato, mas por vezes, é um mal super necessário.

O que é a técnica mnemônica?

O termo deriva da palavra grega menmone, que significa recordação. Podemos dizer que, trata-se de uma mnemônica todo esforço artificial feito para ajudar na memorização e absorção de determinada informação. Portanto, repetir em voz alta um conceito, data ou até mesmo sequências numéricas a fim de memorizá-las já é uma técnica mnemônica que torna menos provável o esquecimento do conteúdo.

Porém, esse método pode ser usado de maneira aprimorada, para te ajudar a memorizar informações relevantes para o concurso, como artigos, leis, datas e outros conceitos muito necessários para um melhor desempenho na prova!

Em suma, para otimizar esse método basta juntar os prefixos das palavras para decorar/memorizar uma frase ou dado importante. Por exemplo: você precisa memorizar o que diz no artigo 1º da Constituição Federal, tema super recorrente em provas de concurso. Para isso, juntamos os prefixos de todo o conceito e chegamos a sigla SoCiDiVaPlu, que quer dizer “soberania, cidadania, dignidade da pessoa humana, valorização do trabalho e da livre iniciativa e pluralismo político”.

Viu só? Muito mais fácil que decorar todas as palavras que compõem este artigo é criar uma sigla que corresponda a elas e simplesmente memorizá-la! Essa sigla funcionará como gatilho para que o seu cérebro se recorde o que foi aprendido, facilitando assim a memorização e o resgate da informação na mente.

Como montar um Mnemônico

Estudar a partir de mnemônicos, além de eficiente, pode ser um exercício de criatividade! Isso porque você pode criar mnemônicos para definitivamente tudo o que precisa memorizar. O processo é simples:

  • Determine o que você precisa memorizar: é um artigo? Uma data? Um conceito?

  • Simplifique a informação: retire da frase ou parágrafo as informações relevantes a serem memorizadas. No caso do nosso exemplo do artigo 1º da Constituição Federal, retiramos apenas o mais importante do artigo, seus fundamentos.

  • Crie siglas e/ou expressões que estejam associadas ao conteúdo a ser memorizado: Aqui, o que vale é fazer analogias que sirvam de gatilho para que seu cérebro resgate a informação estudada.

Por exemplo: “Perda/suspensão de direitos políticos — Art. 20 da CF/88”

Informação relevante: Civil, Agrário, Penal, Aeronáutico, Comercial, Eleitoral, Trabalho, Especial, Processual, Marítimo.

Mnemônico: Capacete de PM

Dica: Para decorar datas, o mais interessante é buscar referências próximas do seu dia a dia. Precisa decorar um ano referente a uma lei? Pense se ela pode usar o ano de nascimento de alguém próximo para gatilho da informação.

O método mnemônico e seus gatilhos são extremamente úteis para memorização dos estudos burocráticos que exigem um esforço maior para decorar. Experimente!

5. Provas anteriores: não se esqueça dos exercícios

Além de exercitar a sua memória para evitar o esquecimento das disciplinas estudadas usando técnicas de estudo mais eficientes, é preciso que você também treine a sua mente para responder as questões da maneira correta, tendo em vista os padrões exigidos pela banca examinadora.

Isso quer dizer que, tão importante quanto saber o conteúdo e memorizá-lo de forma eficiente é conhecer a banca examinadora e o tipo de prova que ela costuma aplicar. Para isso, nada melhor que treinar usando provas de concursos anteriores para potencializar seus estudos!

Como estudar resolvendo os exercícios das provas anteriores

Muita gente se preocupa majoritariamente em ler todo o conteúdo e assimilá-lo da melhor maneira possível. Sim, isso também é importante! Mas, para melhorar o seu desempenho nas provas e alcançar a sua aprovação, é indispensável estudar também a partir das provas anteriores do concurso.

Isso te dará mais confiança com o estilo tanto da prova quanto da banca examinadora, além de permitir que você sinta como as questões se desenrolam, como abordam os temas e como são avaliadas.

Confira nosso guia de como estudar a partir dos exercícios de provas anteriores e potencialize cada vez mais os seus estudos!

  1. Selecione provas anteriores do concurso que você deseja prestar: você consegue fazer o download tanto das provas quanto do gabarito no site oficial da banca examinadora.

  2. Leia toda a prova e foque, inicialmente, nas alternativas corretas: focar nas respostas corretas garante que você otimize o seu tempo e compreenda os padrões e relações entre perguntas e respostas. Com isso, você estará cada vez mais habituado ao estilo, praticando sua concentração e atenção às perguntas e, claro, mais treinado para respondê-las!  

  3. Resolva a prova como um todo: após entender o padrão das perguntas e respostas, o ideal é resolvê-las por inteiro para treinar os seus conhecimentos. Uma boa dica é, em cada pergunta, destacar o erro nas respostas erradas. Assim, você ampliará os seus conhecimentos e treinará tudo o que já foi estudado.

6. Métodos de estudo: grifar ou não o livro?

Esse é um questionamento recente que recebemos. Afinal, a técnica de grifar no livro é ou não um bom método de estudo? A resposta é não e vamos te contar por quê.

A princípio, a ideia de grifar o texto pode parecer promissora. Você lê um texto enorme e pode destacar nele aquilo que é importante de ser revisto. Realmente, se pensarmos dessa forma, ganhamos muito tempo ao destacarmos as informações para procurá-las novamente. Mas, na vida real, as pessoas não trabalham com o marca-texto dessa forma.

Em geral, elas têm dificuldade para determinar o que realmente é um conceito-chave no texto e acabam marcando todo o texto. O que era para facilitar acaba mesmo é atrapalhando no momento de encontrar as informações relevantes.

A ineficácia do método foi atestada, inclusive, por pesquisas. Um estudo feito nos Estados Unidos e divulgado pelo jornal da Associação pela Ciência Psicológica atestou que grifar e resumir textos são métodos de estudo de baixa utilidade pois oferecem benefícios limitados.

Se você ainda estuda para concurso grifando o livro e fazendo resumos, está mais do que na hora de investir em métodos de estudo mais eficientes, não é mesmo? Aproveite as técnicas apresentadas nesse post e turbine agora mesmo o seu aprendizado!

7. 5 erros ao estudar para concursos

Muitos concurseiros, inclusive os veteranos, ainda cometem erros bobos, que atrapalham o seu rendimento de estudo, impactando, inclusive, o desempenho na prova e aprovação.

Confira os 5 principais erros cometidos pelos estudantes e fique cada vez mais próximo da sua aprovação!

1. Não dar atenção ao edital

Um dos erros mais comuns aos concurseiros é não ter um tempo específico para estudar o edital. Lá se encontram todas as informações necessárias e importantes para a prova e o concurso em si. Se você não lê, ou pula algumas partes, corre o risco de se perder durante o processo.

2. Não ter uma rotina de estudo

A falta de tempo é um problema recorrente entre os candidatos. Porém, muitas vezes, esse problema pode ser resolvido com uma boa dose planejamento e organização. Ter um plano de estudo garante que o estudante consiga organizar melhor o seu tempo, otimizando a maneira como estuda e evitando a sobrecarga do corpo e da mente.

3. Não conhecer a banca examinadora

Cada concurso tem suas regras próprias e sua banca examinadora. O estilo de prova, texto das questões e formas de avaliação variam muito de uma banca para outra. Por isso, conhecer a forma como cada uma atua é de extrema importância para estar verdadeiramente preparado, intelectualmente e psicologicamente para o exame.

4. Não ter um objetivo claro

Muita gente costuma estudar para vários concursos ao mesmo tempo. Essa prática, além de extremamente desgastante, faz com que o candidato não consiga se dedicar completamente a nenhum deles, prejudicando o aprendizado e, consequentemente, se afastando da sonhada aprovação. O ideal é escolher um concurso específico e se dedicar integralmente a ele.

5. Não ouvir os sinais do corpo

Outro erro fatal cometido pelos candidatos é ignorar os sinais de cansaço que o corpo emite. De nada adianta estudar mais do que a mente aguenta e, no fim, não conseguir assimilar e memorizar o conteúdo estudado. É preciso estar atento a intensidade e frequência do estudo, para não atingir o esgotamento mental e prejudicar o estudo com um todo.

Conclusão

Não existe fórmula mágica: para conquistar o sucesso no concurso público o único caminho é mesmo estudar, estudar e estudar. Porém, quando escolhemos as técnicas corretas e mais eficazes, esse caminho pode se tornar muito mais curto e sem a dose de estresse e ansiedade que costuma afetar os candidatos e prejudicar tanto os desempenhos.

Nesse post trouxemos as melhores técnicas de estudo para concurso. Agora é com você! Organize o seu plano de estudos, invista nos métodos que apresentamos, deixe de lado o excesso de pressão e de exigência, e tenha sempre muito foco e persistência. A sua aprovação pode estar mais perto do que você imagina!

Avalie esta postagem

Sobre Concurseiro Paulista

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo site Concurseiro Paulista que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.