Posso levar um acompanhante para ficar com meu bebê durante a prova?

Tempo de leitura: 6 minutos

A dúvida sobre se eu posso levar uma acompanhante para ficar com meu bebê durante a prova, é uma questão que sempre está presente na cabeça das mamães no período pré concurso. E o bom é que os editais que permitem que isso ocorra não são uma novidade, eles existem faz um tempo e devem ser respeitados.

O que acontece é que hoje estamos sedentos por descobrir quais são os nossos direitos, a gente não aceita mais que as coisas passem. E as mães que acreditavam que perderiam chances devido a uma fase da vida delas, já sabem que a resposta para a dúvida sobre “um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova“, é positiva em relação a elas.

Quem é mãe sabe como é preocupante ficar nem que seja por algumas horas longe dos filhos e quando esse filho ainda é dependente de você para se alimentar a situação parece triplicar, não é?

Finalmente, as principais organizadoras dos processos seletivos enxergaram e lembraram dessa parcela de concurseiras e os seus editais passaram a garantir que as mamães tivessem total força para falar com segurança e propriedade “eu tenho o direito de um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova“.

O direito de um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova é uma vitória?

Sim, “um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova” é uma vitória que deve ser sim respeitada e realizada. É uma vitória das mulheres e também da sociedade.

Infelizmente o nosso meio ainda é machista, mulheres normalmente tem um período maior do que o dos homens de trabalho, elas trabalham no serviço e trabalham quando chegam em casa, é jornada dupla. Tem janta para fazer, quarto para limpar, filho para ajudar e, nesse caso, um bebê para amamentar.

Só por isso elas já possuem uma chance a menos do que os homens no período de preparação e estudos. Então falar do “direito de um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova“, nada mais é do que falar de uma ação que busca tornar um pouco menos discrepante as oportunidades entre os homens e as mulheres.

Ademais, muitas mulheres deixam de prestar concursos por não ter com quem deixar os seus filhos no momento da prova, muitas delas mal sabem que existem opções como essa de um acompanhante para ficar o meu bebê durante a prova.

Situação que torna o mercado de trabalho um ambiente com uma maioria masculina, o que impede que a voz feminina cresça nesse meio.

Vale ressaltar que o “direito de um acompanhante para o meu bebê durante a prova” existe também para os processos seletivos de cursinhos técnicos, faculdades e até mesmo na hora do Enem.

Isso é ótimo, porque diversas pesquisas já comprovaram que aqui no Brasil, grande parte das meninas que engravidam ainda na adolescência abrem mão dos estudos por se sentirem desmotivadas a continuar. De certa forma, essa ação pode ser vista por elas como um estimulo.

O direito de um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova já é lei em todo território nacional?

Não. É triste dizer, mas “um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova” não é visto nem como lei, esse direito não está previsto na Constituição, ele apenas faz parte de diversos editais das maiores organizações de provas.

E lembrem-se mamães, quando esta opção está indicada nos editais, é preciso comprovar sobre o seu caso antes da data prova, enviando (até um dia estipulado) a certidão de nascimento do seu bebê ou um atestado médico que comprove o período de amamentação.

Assim, quando o dia da prova chegar, o seu bebê poderá ficar com um acompanhante em uma sala próxima a sua. No momento em que ele precisar se alimentar, um fiscal te avisará para que desse modo você possa ir ao encontro do seu filho e depois volte para continuar a prova.

Ah, é bom ficar atenta ao edital. Na grande maioria das vezes é explicito que caso a mãe apareça com o bebê, mas sem o acompanhante ela não poderá realizar a prova, porque não tem como ficar com uma criança no ambiente destinado a concentração do processo.

Por isso, que na maioria das vezes o que as mães pedem são o direito de “um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova” e não que o bebê permaneça com elas.

Não existe uma idade fixa para que as crianças parem de mamar, certo? E por isso, todos os casos de mães e bebês são analisados separadamente. Crianças com mais de um ano, por exemplo, tem muita dificuldade em ficar sentadinhas e quietinhas por muito tempo e o local de prova tem que ser silencioso, para ser justo com todos os candidatos.

E também é bom ressaltar que as mães que irão amamentar não possuem um tempo maior para a realizar a prova, o cronômetro é igual para todos. Então, ao pensar no quesito tempo, mães que vão com os seus filhos e precisam fazer pausas para amamentação podem sair na desvantagem.

Para as pessoas que não são mães, que não amamentam, que não entendem o quão grande é a preocupação em deixar o filho sozinho e por alguma razão acreditam que isso é injustiça com o resto dos concurseiros, vai um recado:

Ao saírem para amamentar os seus filhos, as mães são acompanhadas por fiscais, a amamentação também é fiscalizada, há casos até que tanto a mãe quanto o filho passam por detectores de metal, então a fiscalização é muito séria e não dá bandeja para privilégios.

Além disso, esse é mais um daqueles momentos em que se deve ter empatia com quem precisa, não acha? Assim como você, as mães também querem a chance de prestar concursos públicos, também querem conseguir um bom emprego por elas e pelos seus filhos.

E mamães mantenham-se fortes, o concurso público também é de vocês. Apesar das dificuldades que existem durante o processo de estudos (ainda mais quando se tem uma criança pedindo por toda a sua atenção), mostrem a vocês mesmas o quão são capazes e não desistam do seu objetivo.

Se precisar faça uso do “direito de um acompanhante para ficar com o meu bebê durante a prova“, mas coloque na balança todos os prós e contras dessa decisão.

Se o seu filho já se alimenta de outras maneiras, talvez não seja uma boa opção realizar as pausas de amamentação, mas caso ele ainda seja muito pequeno e dependa única e exclusivamente de você não tenha medo de fazer uso do seu direito.

Sobre Concurseiro Paulista

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo site Concurseiro Paulista que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.