Hífen para concurso público

Tempo de leitura: 6 minutos

Com o objetivo de unificar a ortografia com a língua portuguesa, no dia 1º de janeiro de 2009 entrou em vigor no Brasil o período para que houvesse a transição para as novas regras que teve sua finalização no dia 31 de dezembro de 2015.

As modificações realizadas procuraram unir e aproximar os países que têm como língua oficial o português como, por exemplo, a Angola, o Moçambique, a Guiné-Bissau, Cabo Verde, o próprio Brasil e entre outros países.  

Apesar da vigência do Novo Acordo Ortográfico ter postergado durante um tempo pelo Ministério da Educação, em 2016 a mudança foi oficializada em todo o país, se tornando obrigatória, principalmente, pelos concursos públicos realizados em todo o país.

Até este momento, as duas ortografias eram usadas e aceitas no Brasil, tornando mais difícil o estudo dos candidatos de concursos públicos, pois haviam provas que exigiam por meio do edital o uso das novas regras e outras que não pediam.

No entanto, a oficialização do Novo Acordo Ortográfico facilitou a vida de muitos concurseiros.

A disciplina de Língua Portuguesa é considerada uma matéria que leva a muitas reprovações dentro dos concursos públicos, por conta do pouco conhecimento e a falta da habilidade que os candidatos possuem em relação às regras de concordância, as flexões verbais e, também o hífen para concurso público, e entre outras regras da língua que são exigidas nas provas.

Concursos públicos e a Língua Portuguesa

Por estar presente na grande maioria dos concursos públicos realizados em todo o país, a disciplina de Língua Portuguesa é uma das matérias que mais reprova os candidatos dos concursos.

Para se preparar e evitar o máximo de erros possíveis sobre essa matéria, é importante ter conhecimento sobre os conteúdos que são pedidos pelas bancas que organizam o concurso que será realizado.

Entre os assuntos pedidos nos concursos públicos em todo o país está: a ortografia oficial, a acentuação, o uso de pronome, verbo, preposição e conjunção, o emprego da crase, pontuação no geral, concordância verbal e nominal, significado das palavras, regência verbal e nominal, redação, interpretação de texto e entre outros temas envolvendo a disciplina.

De acordo com o edital que os concursos públicos apresentam, o conteúdo da disciplina de Língua Portuguesa costuma exigir os mesmos requisitos nas provas em todo o país.

Por isso, o importante é estudar muito e de forma aprofundada cada detalhe e regra do Novo Acordo Ortográfico e, também, estudar e conhecer quais os tipos de assuntos a banca organizadora do concurso que será prestado costuma exigir sobre essa disciplina.

Para isso, é válido procurar algum tipo de cursinho que esteja de acordo com as novas regras que já entraram em vigor desde 2016.

Principais mudanças na ortografia

Por meio do Novo Acordo Ortográfico, houveram algumas mudanças nas regras e outras permaneceram. Mas entre as mudanças que ocorreram está a oficialização das letras K, Y e W no alfabeto, que passou de 23 para 26 letras no total.

Além disso, palavras que se encontram no grupo de ditongos abertos como, por exemplo, “ei” e “oi”, não possuem mais acendo agudo (heroico, paranoico, ideia), e hiatos “oo” e “eem” não possuem mais acento circunflexo (creem e enjoo).

Ainda, palavras que utilizavam a trema para acentuar a letra “u”, não possuem mais esse acento. Mas vale lembrar que a pronuncia permanece a mesma.

No documento oficial publicado pelo MEC, é possível conferir todas as mudanças que o Novo Acordo Ortográfico gerou na língua portuguesa.

Hífen para concurso público

Outra mudança gerada com o Novo Acordo Ortográfico, é no modo como utilizar o hífen para concurso público.

De acordo com o Acordo Ortográfico, o hífen deve ser utilizado em palavras iniciadas com a letra “h” como, extra-hospitalar, pseudo-herói, e letras que são iguais a da palavra anterior como, por exemplo, micro-ondas, hiper-revolucionário e entre outras palavras.

Em casos onde a palavra termina com uma vogal e a seguinte se inicia por “r” ou “s”, a consoante é dobrada. Por exemplo, autorretrato, minissaia, antessaia, extrarrevolucionáiro e entre outros. E casos onde as letras finais e iniciais sejam diferentes (autoescola, infraestrutura) o hífen também não aparecerá.

Algumas regras para a utilização do hífen para concurso público permanecem as mesmas como, por exemplo, nos prefixos ex-marido, sem-vergonha, vice-presidente, pós-graduação, recém-nascido e entre outros termos.

O texto do Acordo Orográfico também traz regras que determinam como, por exemplo, o emprego do hífen ao denominar uma espécie zoológica (peixe-boi), palavras compostas que se iniciam com os advérbios bem e mal (bem-estar, mal-estar, bem-humorado, mal-humorado), porém em palavras como, benfeitor, malfeitor, benfeito, não apresentam o hífen.

Já quando há a união de suas palavras que são contextualmente combinadas como, por exemplo, ponte Rio-Niterói e Liberdade-Igualdade-Fraternidade, e combinações histórica (Áustria-Hungria e Tóquio-Rio de Janeiro).

Em casos onde há locuções substantivas (fim de semana, sala de jantar, cão de guarda), adjetivas (cor de mel, cor de vinho), adverbiais (à vista, à vontade), pronominais (quem quer que seja, cada um), prepositivas (a fim de, apresar de, abaixo de), conjuntivas (ao passo que, afim de que), não é utilizado o hífen.

Essas são algumas regras básicas para aqueles que estão se preparando para prestar algum tipo de concurso público e precisam entender as mudanças que ocorreram tanto na Língua Portuguesa quanto no uso do hífen para concurso público.

Por isso é muito importante que o candidato procure aprofundar seu conhecimento nesta disciplina, que costuma sempre ser exigida nas provas e é considerada uma das que mais reprovam concurseiros por não possuírem um grande domínio na língua. 

Portanto, é mais do que essencial estar antenado e treinar muito para que se crie uma maior facilidade no momento de realizar uma determinada questão de Língua Portuguesa, principalmente em relação a regra do hífen para concurso público.

E para dar início, essas foram algumas regras – que mudaram e permaneceram –  que podem dar um empurrãozinho para que os candidatos e futuros candidatos de concursos públicos e exames no geral, melhorem seu desempenho nesta disciplina e aumentem as chances de sucesso no resultado final.

Sobre Concurseiro Paulista

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo site Concurseiro Paulista que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.