Em quais casos o concurso pode pedir um relatório médico sobre a minha saúde

Tempo de leitura: 6 minutos

Ter um trabalho fixo e estável, um bom salário e benefícios por desempenho ou tempo de trabalho. Não precisar ter nenhuma preocupação em relação a perder o emprego porque o país está em crise ou porque a empresa está em crise parece um sonho, não é mesmo?

E realmente é! Mas não se trata de um daqueles sonhos impossíveis de alcançar, e sim de algo bem próximo, que pode ser conquistado. Será necessária certa quantidade de esforço e empenho, é claro, mas você pode realizar esse sonho se tornando um funcionário público.

Trabalhar para órgãos governamentais é um dos caminhos mais procurados por quem quer a estabilidade no emprego e a estabilidade financeira, já que se trata de um cargo difícil de ser perdido, por conta das regras do funcionalismo público.

Mas não é assim tão fácil conseguir garantir o seu lugar ao Sol, ou melhor, a sua vaga dentro de um órgão governamental. Para conquistar um cargo nesses órgãos, é necessário que o interessado realize uma prova, mais exatamente, um concurso público.

Acontece que as vantagens oferecidas atraem muitos interessados, e os concursos são bem concorridos, muitas vezes chegam a ser mais disputados do que vagas em universidades públicas do país.

Mas mesmo a grande concorrência não parece desaminar os candidatos, cuja quantidade parece aumentar mais a cada novo concurso. Esse fenômeno provavelmente acontece por conta da dificuldade para encontrar emprego no mercado de trabalho e se estabilizar em uma empresa.

Quem quer concorrer a um cargo publico precisa se empenhar nos estudos para vencer essa concorrência gigantesca e garantir uma vaga. Já que, enquanto o número de concorrentes passa dos milhares, o número de vagas em alguns casos não chega às centenas.

Para se preparar para concursos, alguns candidatos passam meses e até anos estudando, outros acabam estudando mais em cima da hora, apenas quando o edital já foi publicado, e, para compensar o tempo que perderam, dedicam horas do seu dia às leituras e resoluções de problemas que podem cair na prova.

E os candidatos que realmente se esforçaram e usaram os métodos certos de estudos, absorveram os conteúdos necessários e controlaram o nervosismo durante as horas de teste costumam ter o seu esforço recompensado quando as listas de classificação são divulgadas.

Ver o seu nome na lista de aprovados e dentro do número de vagas, ou, em alguns casos, dentro da lista dos classificados para a próxima fase do concurso, é a recompensa para esses que não desistiram e ao desaminam de correr atrás do sonho da estabilidade na carreira profissional.

Mas, algumas vezes, passar na prova e estar entre os classificados finais não é o suficiente para finalmente se tornar um servidor público.

Algumas comprovações podem ser exigidas antes que o candidato se torne realmente o dono da vaga que deseja. E para comprovar deficiências, por exemplo, é que os concursos podem exigir laudo ou relatório médico atestando que o candidato realmente é portador da deficiência que afirmou ter no momento da inscrição.

O que acontece é que, por lei, os concursos devem ter uma porcentagem das vagas disponíveis, reservadas para pessoas portadoras de deficiência.

As notas de corte dos candidatos portadores de deficiência costumam ser menores que a dos candidatos que não são portadores de deficiência. Isso faz com que alguns espertinhos, talvez seja melhor chama-los de mau caráter, podem resolver afirmar no momento da inscrição no concurso, que são portadores de deficiência, embora não sejam.

Fazem isso, com a intenção de conseguir a vaga com menor concorrência, às vezes sem saber que estão infringindo a lei.

Mas esse é um dos casos em que o concurso pode pedir um relatório médico sobre a saúde do candidato em questão, para garantir que só serão contemplados os candidatos que realmente são portadores de deficiência e que fraudadores não prejudiquem essas pessoas, tirando a vaga que é dela por direito.

Se for comprovado que a pessoa que afirmou ser portadora de deficiência verdadeiramente se encontra nessas condições, seguirá para futura posse do cargo, caso contrário, o candidato fica impedido de assumir a vaga. E pode até ter problemas maiores se for comprovado que agiu de má fé.

Outro caso pode impedir o candidato de assumir uma vaga em concurso público. Se o candidato tiver alguma doença que o impeça de exercer a função para a qual se candidatou ele pode ficar de fora e não tomar posse mesmo que tenha passado no concurso.

Nesse caso o problema de saúde deve ser constatado no exame admissional. Antes de assumir o cargo, o candidato deve passar por esse exame para conferir se está com a saúde em dia e se não omitiu alguma informação relacionada ao estado de saúde.

Pode acontecer do candidato já aprovado nas provas e classificado ser reprovado no exame admissional por ter um problema de saúde.

Entretanto, não é qualquer problema de saúde que pode impedir que o candidato tome posse do cargo. O médico do trabalho tem o dever de avaliar diversos quesitos para saber se o candidato está apto para a função, por exemplo, alteração potencializada com as atividades que serão realizadas.

Isso significa que candidatos que apresentem algum problema de saúde em que seja avaliado pelo médico que as atividades que serão realizadas na função irão piorar o problema, podem ser reprovados no exame admissional.

Se o médico julgar que o problema pode resultar em faltas do funcionário, ou que pode prejudicar outras pessoas com as quais ele terá contato enquanto exerce a função, também pode ser reprovado.

Mas nesses casos, se o candidato discordar da decisão, é possível que ele apresente recurso. Que pode ser aceito ou não.

Agora você já sabe em quais casos o concurso pode pedir um relatório médico sobre a sua saúde e quando os problemas de saúde podem impedir uma pessoa de assumir uma vaga de concurso público.

É importante lembrar que esses casos não acontecem todo o dia e não devem ser motivo para que você desista de estudar para algum concurso que deseja. A dica é estar em dia com a saúde.

Sobre Concurseiro Paulista

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo site Concurseiro Paulista que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.