Drogas e remédios para concursos públicos: risco ou benefício?

Tempo de leitura: 6 minutos

Na luta por uma vaga no serviço público, as pessoas resolvem usar remédios para melhorar a performance e turbinar os estudos. Embora esse seja um assunto extremamente polêmico, muitos afirmam que o uso dessas substâncias é comum dentre os estudantes dos cursinhos preparatórios para concurso público e fica sempre a dúvida se o risco de efeitos colaterais realmente compensa o benefício de uma nota melhor na prova.

Mas afinal, quais drogas e remédios são utilizados por quem se prepara para concursos públicos? Essas substâncias fazem mal? Elas são vendidas sem receita médica? Elas garantem a aprovação? Existem alternativas mais saudáveis? Vamos explicar tudinho aqui no post, confira!

De onde surgiu a ideia de usar remédios na hora de estudar para concursos públicos?

Os concursos públicos costumam ser muito concorridos, fazendo com que pequenas diferenças na nota resultem em uma aprovação – ou em uma reprovação. Desesperados por uma vaga, os estudantes buscam todas as alternativas que podem oferecer alguma vantagem no processo, pagando por cursos preparatórios e chegando a usar medicamentos e drogas que aumentem a performance acadêmica.

Como esses remédios ajudam no estudo?

Muitos remédios estimulantes permitem que o estudante passe a noite sem dormir, se dedicando aos estudos. Como o esperado é que quanto mais tempo você passe estudando mais conhecimento você adquira, a ideia de conseguir passar noites em claro com a cara nos livros acaba atraindo quem vem se preparando para um concurso público.

Dessa forma, o aumento de performance promovido pelo medicamento faria com que o indivíduo superasse os concorrentes e fosse aprovado no concurso.

Por que os concursos públicos são tão concorridos?

A maioria dos cargos públicos oferece salários acima da média do mercado e ainda capricha nos benefícios. Além da estabilidade de emprego pelo resto da vida – não dá para ser mandado embora sem justa causa de uma vaga pública -, muitos concursos oferecem ainda vale transporte, vale alimentação, plano de saúde, licença-prêmio, quinquênio, etc

Quais substâncias costumam ser utilizadas?

Metilfenidato (Ritalina, Concerta): medicamento estimulante a base de anfetamina que melhora a memória de trabalho e a concentração, facilitando a execução de tarefas mesmo quando o corpo está cansado ou entediado. É usada na medicina para tratamento de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), narcolepsia e hipersonia idiopática.

Anfetaminas: as anfetaminas são uma classe de drogas estimulantes usadas no tratamento da obesidade e de forma recreacional. Elas aumentam as capacidades físicas no esporte, estimulam o metabolismo, promovem o emagrecimento, reduzem o sono, tem poder afrodisíaco e aumentam as capacidades cognitivas.

Modafinil (Provigil): medicamento novo no mercado com um mecanismo de ação ainda não muito esclarecido, o modafinil é usado contra a narcolepsia e a sonolência extrema, mantendo o corpo em alerta. Em relação à cognição, o medicamento parece aumentar a concentração e a capacidade de memorizar grande sequência de números.

Donepezil (Aricept): usado no tratamento da doença de Alzheimer, doença degenerativa que provoca a perda de memória e déficit cognitivo, o donepezil teria, portanto, um efeito benéfico sobre essas habilidades.  

Esses medicamentos podem ser vendidos sem prescrição médica?

Legalmente, não. Como são medicamentos potentes que agem sobre o sistema nervoso central e podem gerar diversos efeitos colaterais graves, essas substâncias só podem ser vendidas sob prescrição médica, sendo considerados medicamentos tarja preta.

Como esses medicamentos funcionam?

Drogas estimulantes inibem a destruição de neurotransmissores ou estimulam sua liberação, promovendo um aumento da comunicação entre os neurônios. A ritalina, por exemplo, é um medicamento que age sobre o sistema nervoso central inibindo a destruição da dopamina e da noraepinefrina, o que melhora a concentração de pessoas com TDAH. Como a maioria dos diagnósticos de TDAH são feitos em crianças, elas são as principais consumidoras do fármaco.

Se a ritalina é usada em crianças, isso significa que ela não faz mal?

Não. A ritalina pode provocar efeitos colaterais graves, como veremos a seguir, e só é usada em crianças após um acompanhamento psiquiátrico e psicológico adequado. Ou seja, o medicamento só é usado quando outras técnicas não foram bem sucedidas e a criança continua apresentando sintomas de TDAH que precisam ser controlados.

Quais os efeitos colaterais dessas substâncias?

Ao estimular o sistema nervoso, todas essas substâncias podem provocar grande ansiedade e nervosismo. O metilfenidato e as anfetaminas estão associados, também a alucinações, complicações cardiovasculares e piora na capacidade cognitiva de resolver problemas complexos.

O modafinil pode gerar lesões de pele grave e o donepezil parece piorar a função cognitiva em pessoas que não tem Alzheimer. Além disso, todas elas têm o potencial de gerar dependência, fazendo com que a pessoa vicie em seu efeito e não consiga estudar sem a droga.

Mas afinal, usar essas substâncias melhora o resultado no concurso?

Muitas vezes não, já que embora a pessoa consiga passar mais tempo estudando, a qualidade do estudo é reduzida e a longo prazo, a memória não fixa. Assim,no dia seguinte a pessoa pode até ter a impressão de que estudou muito mais e que o remédio ajudou, mas após uma semana terá que estudar tudo novamente.

Agora, se a pessoa apresenta alguma doença de atenção ou do sono e recebe a prescrição de um médico, o remédio irá sim ajudar a controlar os sintomas, normalizar a rotina e facilitar os estudos. Mas mesmo assim, os medicamentos só devem ser utilizados quando outras medidas não funcionarem.

Há alguma alternativa saudável e segura para quem quer passar no concurso?

Para quem se sente desconcentrado e não consegue manter os estudos em dia, existem diversas medidas saudáveis para serem tomadas antes de recorrer a medicamentos e drogas:

  • Aposte em uma dieta saudável, rica em alimentos nutritivos e pouco calóricos (saladas, grãos, frutas e carnes magras);
  • Beba água com frequência para manter o corpo bem hidratado;
  • Pratique exercícios físicos regularmente;
  • Tenha uma noite de sono tranquila e de duração adequada (6-8h por noite);
  • Pratique técnicas de meditação para melhorar a concentração;
  • Estude em um ambiente agradável e sem distrações;
  • Organize o estudo em sessões de 50 minutos com 10 minutos de pausa entre cada sessão, seguindo a técnica pomodoro;
  • Tenha disciplina e use o sonho da aprovação como motivação;
  • Busque técnicas de organização, como o GTD, para organizar sua vida e deixar a mente livre para os estudos;
  • Planeje momentos de descanso e diversão (saídas com os amigos, com a família e com o parceiro) para desestressar.

Entendeu tudo sobre como funcionam as drogas e os medicamentos para concursos públicos? Aproveite para nos seguir no Facebook e receber mais conteúdos valiosos como esse!

Drogas e remédios para concursos públicos: risco ou benefício?
5 (100%) 1 vote

Sobre Carlos Gusmão

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval. Sou um dos responsáveis pelo site Concursado.org que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.