Como funciona o plano de Carreira de um Juiz Federal

Tempo de leitura: 17 minutos

Você é o tipo de pessoa que se interessa pela carreira de um Juiz Federal? Ou é apenas um curioso que deseja conhecer um pouco mais sobre essa profissão tão interessante? Aqui tem espaço para os dois tipos de pessoas, com esse artigo você irá acabar de uma vez por todas com essas dúvidas que você possui em relação a profissão.

Difícil é a criança que nunca brincou de ser um juiz, de bater o martelo na mesa e de dar o veredito sobre determinada situação em brincadeiras com seus amigos. E é a partir daí que surge a vontade de conhecer um pouco mais sobre o que um Juiz Federal faz, e quem saiba seja o marco inicial de vários juízes que hoje em dia vemos por aí.

O que um juiz faz? Bom, o Juiz Federal é o responsável por julgar todos os feitos que tramitam na Justiça Federal, e tem competência para julgar todas as causas que englobam a União e os entes federais. Mas afinal, o que é preciso para se tornar um Juiz Federal? Vamos entender como funciona a carreira deles agora mesmo, fique atento.

Ser juiz não é um passo fácil, pelo contrário, é um longo caminho a ser trilhado e ele poderá demorar anos para se tornar realidade. Mas, para quem tem persistência, esses anos de esforços não serão nada diante a recompensa de seguir na carreira tão almejada como a de um juiz federal.

Como me torno um Juiz Federal?

O plano de carreira de um Juiz Federal começa logo na graduação em Direito. O estudante de Direito já deve ter em mente que é isso que ele quer para o seu futuro, e já começar a estudar e se dedicar para as matérias que mais caem no concurso público para um Juiz Federal.

Ele deve saber, desde o início, que não será fácil, mas que com muito estudo e muita dedicação e persistência, poderá ser possível. Portanto o primeiro passo do plano de carreira de um juiz federal é estar decidido sobre sua área de atuação desde o início da graduação em direito.

Após o fim da graduação, antes de qualquer coisa é extremamente necessário ser aprovado no exame da Ordem de Advogados do Brasil (OAB), pois, sem esse certificado não poderá atuar nem como advogado nem como promotor ou juiz, portanto é muito importante ser aprovado e fazer o pagamento da ordem para seguir em frente na carreira de juiz federal.

Algo interessante que precisa ser ressaltado, é que não basta estudar o que foi passado para a prova e depois acreditar que está tudo certo. Pelo contrário, é preciso muita dedicação, e não deixar para estudar apenas quando sair da faculdade.

Para ser um bom candidato ao cargo de um juiz federal, você precisará aprender de verdade tudo o que seus professores passam, e não apenas decorá-los para as provas. Além disso, você precisa sempre procurar por cursos extracurriculares que servem para te auxiliar a fixar ainda mais o conteúdo.

Uma boa dica é sempre refazer provas antigas, seja provas que seus professores já passaram, ou até mesmo provas que você encontra em diferentes lugares na internet, a fim de treinar ainda mais seu conhecimento nas leis e nos deveres que aprendem durante os 10º semestres que você terá na universidade.

Vá estudando, tire suas dúvidas com seus professores, e assim você estará se preparando desde cedo para a sua futura carreira. Você pode contar com a ajuda de vários livros que auxiliam nessas provas. Quanto mais cedo você se dedicar, mais fácil será na hora do tão temido concurso para passar na OAB, e o concurso para se tornar um juiz federal.

Preparando-se para o concurso

Agora é hora de se preparar para o concurso. O concurso para juiz federal é complicado, ele tem cinco fases, as quais as quatro primeiras são eliminatórias, o que significa que se reprovar já na quarta fase, terá que começar tudo de novo, pela primeira fase.

Por isso que muitas pessoas acabam fazendo o concurso muitas e muitas vezes até conseguirem o cargo, algumas pessoas fazem o concurso mais de dez vezes para atingir o sonho de se tornar um juiz federal.

As matérias como direito internacional, direito econômico e financeiro são matérias que caem no concurso de juiz federal por exemplo. Também caem matérias como direito administrativo, direito penal, direito constitucional, direito civil, direito tributário, direito empresarial, direito ambiental, direito previdenciário, entre diversas outras disciplinas.

Aí é que mora o problema, e a dificuldade de se estudar para o concurso. Muitas vezes somos condicionados a estudarmos apenas a matéria que cai na prova, e normalmente essa matéria é a mesma ensinada nos últimos dois ou quatro meses. Isso é muito comum durante a graduação. Porém, no momento de um concurso público, principalmente um tão concorrido como um concurso para juiz federal, não é exatamente assim que funciona.

No concurso público são exigidas matérias de todos os cinco anos de graduação de diversas matérias – como as já citadas anteriormente – ao mesmo, para serem testados no mesmo dia.

Isso pode ser um grande desafio para o concurseiro, pois a forma de se estudar deve ser diferente daquela forma que se estudava para as provas na graduação. O conteúdo tem que manter as informações, e não desaparecer após dois ou quatro meses de estudo.

O concurso é difícil e demanda muita determinação do concurseiro para conseguir estudar da melhor forma possível. É comum conhecer pessoas que passaram anos estudando e ainda não conseguiram uma vaga, ou então após anos estudando conseguiram a vaga.

 É importante se manter focado, e talvez ainda seja uma boa ideia, se for possível, sair do trabalho para focar apenas nos estudos para isso. Se conseguir a vaga, valerá a pena, com certeza.

A maior dificuldade, com certeza, é se manter motivado para seguir estudando a qualquer custo. Anos podem se passar, e quanto mais tempo se passa, menor é a motivação para continuar estudando para conseguir realizar um sonho. É necessário ter fé e não parar de estudar.

É claro, é compreensível que após muitos anos estudando perca-se até a vontade de seguir nessa carreira, mas é importante lembrar o quanto que seria feliz finalmente conseguir essa carreira, para não desistir de estudar nem por um minuto. Um dia tudo valerá a pena.

Tem sempre aquela matéria que é mais difícil mais cansativa, mais tediosa, e menos interessante do que as outras. Justamente por conta desses motivos essa deverá ser a matéria que você deverá dar mais atenção no momento de concurseiro.

Justamente por ser a matéria menos interessante é muito fácil que todo o seu conteúdo entre por um ouvido e saia por outro, e que dele nada seja absorvido. Por isso ela merece uma atenção especial, para ser absorvida realmente e não haver nenhum tipo de “branco” sobre essa disciplina durante o dia da prova.

Dicas de como estudar para o concurso

Embora você seja uma pessoa que sempre busca estudar para os concursos, é essencial que saiba que outras coisas precisam ser levadas em consideração, não dá para sair estudando qualquer coisa que veja pela frente, é necessário que você tenha um cronograma, e que se atente em tudo que precisa estudar até o temido dia do concurso

#1 Criei um cronograma de estudos

Quando você decide que vai prestar um concurso para se tornar um juiz federal, é interessante que você tenha um cronograma de estudo e que realmente o siga de forma metódica, sem se distrair com coisas banais. A concentração e a persistência farão com que você se torne um ótimo juiz federal.

#2 Faça provas para treinar

Uma ótima maneira de você ter uma real noção se está no caminho certo ou se precisa se dedicar mais, é você sempre se testar, pelo uma vez por semana você deve testar seus conhecimentos, acompanhando todo o seu avanço desde quando começou a estudar, até os dias que antecedem a temida prova do concurso.

#3 Leia o edital do concurso

Caso você não tenha a mínima ideia do que irá cair no concurso que você irá prestar, nada de sair estudando qualquer coisa que você vê pela frente. Faça uma pesquisa, veja o que mais costuma cair nos concursos para ser um juiz federal.

E quando finalmente sair o edital do concurso que você irá prestar, será o momento de você intensificar suas horas de estudo, e começar a estudar tudo, ou pelo menos a maioria, do que estão pedindo nos editais do concurso. Você se focar nos editais é uma boa forma de você não estudar algum conteúdo que não tenha a mínima chance de cair.

#4 Não perca a linha, mantenha-se calmo

O concurso está chegando perto? Nada de perder a linha, pelo contrário, é essencial que você se mantenha calmo, e que fique totalmente focado nos seus estudos, e no resultado final que ele poderá te ter. A reta final é a parte que não adianta você se atolar em estudos, é hora de relaxar e apenas revisar conceitos já estudados, e treinar provas.

Nada de ir para barzinhos e ficar bebendo nas vésperas das provas, é melhor prevenir qualquer tipo de dor de cabeça, do que perder a cabeça no dia da prova, ou ficar nervoso. Mantenha a calma, e o que tiver que ser, será.

#5 Treine sua oratória 

Treinar sua oratória é muito importante para a prova oral, uma das fases dos concursos. Nela, você deve usar todo o poder da sua oratória e fazer as pessoas perceberem quão capaz você será de dar um veredito sobre determinado assunto.

Você ficar olhando para o espelho, ou até mesmo fazendo grupos de apoio para treinar a oratória, será uma ótima forma de ambos perderem a vergonha de falar em público, e isso ajudará muito na época do concurso.

Agora, vamos entender a diferença entre juiz substituo e juiz titular, assim você saberá as duas fases dessa profissão que você tanto admira, ou deseja seguir.

Juiz substituto

Após conseguir a tão sonhada aprovação no concurso público para Juiz Federal, este se tornará apenas um juiz substituto, receberá um salário de aproximadamente R$23mil reais para arcar com suas despesas. O juiz substituto exerce essa função por 10 anos completos até que possa subir na carreira de juiz federal.

A função do juiz substituto é de atuar quando o juiz titular não estiver presente, e além desses momentos atuar em conjunto com o juiz titular para ganhar experiência e agregar conhecimentos, para que quando se tornar em juiz titular possa saber lidar com todos os tipos de situações possíveis, já vividas atuando como juiz substituto em conjunto com o juiz titular.

O juiz substituto não trabalha apenas com um juiz titular, mas com vários diferentes, em situações diversas para adquirir ainda mais experiência, e conhecimento de como diferentes juízes atuam em diferentes situações.

O juiz substituto atuará nas mesmas condições de um juiz federal titular. O juiz é um órgão do Judiciário é responsável por o Direito de formas definitivas. Ele deverá julgar ações em que a União, suas autarquias, e empresas públicas federais são interessadas.

Julgam matérias envolvendo estados estrangeiros, direitos indígenas, causas de naturalidade e naturalização de estrangeiros, entre outros tipos de causas. Julga crimes políticos e infrações penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesses da União ou de suas entidades autárquicas, ou empresas públicas federais.

Crimes contra a organização do trabalho, e também os crimes cometidos a bordo de navios ou de aeronaves, pois esses não são crimes cometidos nem em estados ou municípios do território brasileiro.

É uma carreira cheia de desafios e obstáculos, pois não é nada fácil decidir o destino de uma pessoa ou organização. Deve-se sempre tentar julgar com o máximo de imparcialidade possível, o que é extremamente difícil, já que o ser humano é conhecido por ser de extrema parcialidade em qualquer decisão tomada.

 Na grande maioria das vezes, terá um lado que ficará insatisfeito com a decisão do juiz, e ele deverá saber como lidar com isso, mesmo algumas vezes poderá haver casos em que ambos os lados não estarão satisfeitos com o resultado.

É preciso ter muita humildade, dedicação e responsabilidade para arcar com as responsabilidades de ser um juiz federal, para fazer um bom trabalho, causando um bom impacto na sociedade, que tenha boa repercussão do trabalho para estar sempre tentando fazer com que essa sociedade que vivemos seja melhor e mais justa.

O dia a dia de um juiz federal pode ser bastante atarefado, com inúmeros processos a dar andamento, despachos a serem proferidos, decisões, sentenças e audiências a comparecer muitas vezes.  É importante estar disposto a ouvir, mesmo fora das audiências, qualquer pessoa interessada em algum dos processos de sua responsabilidade.

Pode-se até dizer que o trabalho de um juiz federal é de 24 horas por dia, sete dias por semana, pois está a sempre disposto a resolver os problemas da sociedade e fazê-la um melhor lugar para se viver.

Sim, esse pode ser um trabalho bastante estressante, como é conhecido ser, o trabalho de juiz federal, porque como já foi dito, é um trabalho contínuo, mesmo fora das audiências. O volume do trabalho é sempre elevado, sem contar na pressão que o juiz leva constantemente.

Ele é responsável por tomar as decisões que devem ser consideradas certas, se por algum acaso, ele toma a decisão errada – o que pode acontecer, afinal o juiz federal não deixa de ser humano e errar é humano – pode imaginar o quanto que ele não ouvirá sobre essa decisão tomada erroneamente.

É claro que o estresse da profissão está presente assim como a maioria das profissões, o problema é a pressão que vem com amplitude nacional. O juiz deverá tentar fazer o possível para não ser atingido por essas pressões para que ele tenha a tranquilidade de tomar as melhores decisões possíveis.

Juiz titular

Após os dez anos sendo um juiz apenas substituto, acontece então a promoção para juiz titular. Para o acontecimento disso, normalmente existe a necessidade de se mudar de cidade. E no caso não há nenhum tipo de aumento salarial.

Mesmo sem aumento salarial aumentam-se as responsabilidades e despesas. O aumento salarial só acontece quando se há outra promoção, para se tornar desembargador, nesse caso, ocorre um aumento de 5% no salário.

O cargo de juiz federal titular é vitalício, pelo concurso prestado, não pode ser mandado embora. Claro, existem algumas exceções, como sempre existem.   O juiz federal pode perder o cargo se por acaso ele for condenado em ação judicial, caso tenha comedido alguma infração disciplinar grave.

Também podem perder o cargo se for condenado a ação penal por crime com pena acima de um ano, se tiver cometido abuso ou violação de dever para com a administração pública, ou por crime com pena acima de quatro anos.

Ou seja, o cargo é vitalício até certo ponto. Até porque não seria certo que o juiz federal pudesse continuar com o cargo de julgar pessoas pelos seus crimes, e ele mesmo estar atuando em crimes e se safando por ser juiz federal.

Quanto ganha um Juiz Federal?

Uma dúvida frequente em relação ao cargo de Juiz Federal tem relação com o valor que eles costumam a receber em sua profissão. O fato é que o valor pode mudar, depende da quantidade de ano que você está no cargo, e também se você é um Juiz substituto ou titular.

Não é à toa que os concursos para Juiz Federal é um dos mais concorridos e que atrai muitas pessoas, o nível de conhecimento exigido para a função é grande, e consequentemente o salário acaba sendo maior.

O salário mínimo de um Juiz pode variar dependendo da região na qual ele está inserido, mas o que podemos observar na prática é que os concursos públicos para um juiz federal, é de pelo menos 20 mil reais (sem contar as gratificações).

Já a média salarial do juiz, que recebe o nome de subsídio, varia de acordo com a área de atuação do juiz, por exemplo: justiça do trabalho, eleitoral, militar ou comum, estadual ou federal), além do lugar que ele trabalha, tempo de experiência e também as promoções recebidas.  O fato é que o salário de um juiz federal pode variar de R$ 40 mil a R$ 150 mil.

Quais são os melhores lugares para se estudar Direito?

A graduação de Direito é uma das que possuem maior oferta no país, várias pessoas acabam optando por estudar Direito devido ao alto salários que costumam receber em determinadas áreas de atuação.

Independentemente do lugar que você estiver, e da sua condição financeira você pode investir em estudar Direito. Seja em uma universidade estadual, federal ou particular. O importante é que você tenha uma dedicação intensa e que faça o possível para conseguir absorver o máximo possível de conteúdo que os professores abordam durante o curso.

Vamos deixar abaixo, uma lista com as melhores universidades do país para estudar Direito, segundo a OAB. Quem saiba valha a pena investir em alguma dessas universidades, para conseguir a vaga de Juiz Federal tão concorrida e tão deseja.

  • Rio Branco – Universidade Federal do Acre – UFAC
  • Maceió – Universidade Federal de Alagoas – UFAL
  • Macapá – Universidade Federal do Amapá – UNIFAP
  • Manaus – Universidade do Estado do Amazonas – UEA
  • Camaçari – Universidade do Estado da Bahia – UNEB
  • Goiânia – Universidade Federal de Goiás – UFG
  • Naviraí – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS
  • Belo Horizonte – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-Minas-
  • Arapongas – Universidade Norte Do Paraná – Unopar
  • Maringá – Universidade Estadual De Maringá – UEM
  • Rio de Janeiro – Escola De Direito Do Rio De Janeiro – Fgv
  • Florianópolis – Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
  • Campinas – Faculdade de Ciências Econômicas – Facamp
  • São Bernardo do Campo – Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo

Essas são apenas algumas opções, como já disse anteriormente independente da faculdade que você escolher, tendo uma ótima dedicação, irá conseguir chegar muito longe. Só depende de você.

Sobre Blog Concursado

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo Blog Concursado que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.