5 características essenciais que um delegado da polícia civil precisa ter

Tempo de leitura: 18 minutos

A carreira de um delegado da polícia civil é cercada de mitos e de fantasias relacionadas a poder, riqueza e superioridade. Mas será que um cargo tão importante para a manutenção da ordem na sociedade civil pode estar envolvido com esse tipo de valor?

Nossa opinião é de que servidores públicos devem direcionar sua atuação para as necessidades coletivas e marcar presença com princípios como dignidade, isenção, honestidade e caráter. E esse tipo de qualidade pode ser desenvolvido muito antes da nomeação. Ela pode começar a ser formada quando ainda se está preparando para tal conquista.

Então, estudantes e candidatos a concursos públicos precisam, além de se dedicar à grade curricular prevista nos editais, cuidar de sua formação pessoal, de sua personalidade, de seus valores e visão de mundo.

Em algumas funções públicas, como a de delegado da polícia civil, essas premissas são ainda mais importantes, dado o nível de responsabilidade que esse profissional assume perante os cidadãos.

Basta lembrar que, por muitas vezes, esses profissionais serão procurados para solucionar questões que alarmam, que trazem medo e, muitas vezes, dor para a vida das pessoas.

Faz parte desse trabalho ser acionado apenas em situações extremas, de conflito de interesses, de ausência de consenso, de ameaça aos direitos de alguma das partes envolvidas nos casos que caberá ao delegado solucionar.

Se você está se preparando para o cargo de delegado civil, este post é para você! Aqui abordaremos algumas características desse cargo e daremos algumas dicas de como exercer de maneira edificante essa profissão. Quer mergulhar nesse universo e se imaginar atuando e defendendo os direitos sociais? Então siga conosco!

1. Tenha disciplina

Em geral, sonhos não são coisas alcançáveis a todo momento, no cotidiano. Essas são as rotinas e os acontecimentos normais da vida de uma pessoa.

Realizar um sonho, então, não depende apenas de vontade, de talento e de capacidade. Ora, se estão na categoria de aspirações é porque se referem a planos maiores, a algo extraordinário, a uma visão de futuro, ao que só se atinge poucas vezes na vida.

Então, se o maior desejo de alguém é conquistar uma carreira estável em uma profissão sólida, é preciso dedicação, perseverança e disciplina.

Quem já alcançou um cargo público sabe do que estamos falando. Certamente a trajetória foi de alguns anos de estudo intenso, poucas horas de lazer e muita, mas muita disciplina.

Em caso de cargos muito cobiçados, como o de delegado de polícia, além da faculdade de Direito — conhecida pelo alto nível de exigência em função de um conteúdo programático árduo —, o caminho para o sucesso exige muita força de vontade do candidato.

Não há outra saída, é fundamental que seja estabelecida uma rotina de estudos, com foco nas disciplinas dos editais de concursos e boa organização do tempo disponível.

E quando o objetivo é alcançado e chega a aprovação, toda essa dinâmica de disciplina já internalizada será de grande valia para a atuação profissional. Isso porque o cargo de delegado da polícia civil exige estar sempre atualizado e preparado para atender demandas da sociedade, protegê-la de ilegalidades e garantir seus direitos fundamentais.

A legislação brasileira é reconhecidamente complexa e sofre alterações constantes. Alguém que se coloque na posição de defensor dessas premissas não pode errar. É preciso estar atento às transformações da lei e às revoluções nos padrões sociais e culturais.

Tudo isso exige disciplina e estudo constante, o que já é um aviso para os aspirantes ao cargo: não pense que o comprometimento com os estudos se encerrará com a aprovação. Muito pelo contrário: após assumir tamanha responsabilidade perante o coletivo, o papel do delegado passa a ser tão relevante que o profissional assume, automaticamente, a obrigação de manter-se apto a responder à altura das necessidades e expectativas da sociedade.

Mas, e na prática, como alcançar essa tão necessária disciplina? Para os que têm dificuldades em se centrar em uma meta, algumas técnicas podem ajudar. Tome nota!

Foco nos resultados

Desvie o olhar do trajeto e mentalize sempre o destino. Se o objetivo é se tornar delegado da polícia civil, tente sempre visualizar o ambiente de trabalho, as rotinas, o contato com colegas, os temas que ocuparão cada dia da carreira. E, o melhor, pense na estabilidade e no salário no final do mês.

Depois de aprovado, a rotina certamente será pesada, pela própria natureza da profissão. Mas nada disso pode pesar contra e é preciso direcionar o foco para a diferença que o trabalho faz para o bem coletivo, para o quanto aquela atuação traz realização pessoal a quem se dedicou muito para chegar até ali.

Tudo isso serve de motivação, empurra o candidato para frente e ajuda a contornar as dificuldades, o desânimo e o cansaço.

Tenha um plano

Já dissemos que um sonho ou um objetivo é algo fora da rotina de qualquer pessoa. É um alvo mais adiante que exige uma maneira diferenciada para ser alcançado.

No caso da aprovação em concurso público, é fundamental ter um planejamento, um passo a passo para que todas as disciplinas sejam assimiladas dentro do tempo disponível do candidato.

Quando a tão sonhada aprovação chega, os planos mudam, mas continuam existindo. Melhorar continuamente precisa ser o novo objetivo do profissional e, para isso, o delegado precisará ter em mente uma nova rota para alcançar o aperfeiçoamento contínuo.

Aí entra o plano de carreira, que precisa ser feito pelo profissional, considerando sua posição atual e vislumbrando onde ele deseja estar a médio e curto prazo.

Pensamento positivo

Há quem diga que o que pensamos pode se materializar e que nossa vida é guiada pelas nossas reflexões.

Independentemente da crença que possa existir por trás disso, uma coisa é certa: uma filosofia de positividade e de acreditar em si próprio move qualquer pessoa rumo aos seus objetivos.

Ter fé no seu próprio caminho e autoconfiança é muito importante, tanto para quem busca um lugar ao sol quanto para quem já o encontrou. É preciso acreditar em si mesmo para fazer com que todo caminho seja o melhor possível — o de estudos e o de trabalho.

Desânimo não leva a lugar algum

Não pense que tudo serão flores o tempo inteiro. Mas lembre-se de exercitar o otimismo e de não esmorecer ao primeiro sinal de fracasso.

Não foi aprovado ou não conseguiu promoção dentro da carreira de delegado? Pense que não conseguiu “ainda”. Outras chances virão e a frustração não pode te paralisar e te prejudicar nas próximas oportunidades.

Seja perseverante, olhe para frente, mantenha a esperança e corra atrás. Uma hora o resultado virá!

2. Mantenha o foco

Ser produtivo é uma questão de foco, não tenha dúvida! Se um candidato a um concurso público ou um profissional já atuante possui uma gama de responsabilidades e afazeres, não há como pensar em outro modelo mental que não seja o de manter o foco no que é realmente importante.

Mas o que é “o importante” quando se estuda para um concurso público? O importante é se organizar para cumprir todo um plano de estudos. É ter uma matriz das disciplinas que mais pontuam e separar maior tempo para elas. É ter um cronograma que conjugue leitura, resumos, fichamentos e exercícios. É conseguir encaixar um tempinho para assistir videoaulas, absorver conteúdos online, filmes e ouvir áudios didáticos, nem que seja durante os 40 minutos de esteira ou bicicleta ergométrica.

E o que mais importa quando já se é um servidor, por exemplo um delegado de polícia? Aí a coisa muda de figura, mas não perde a essência: o relevante é focar no que mais agrega! Nesse caso, a atualização de conhecimentos deverá ser um objetivo. Isso garantirá uma atuação profissional segura e correta, além disso abrirá caminho para novos patamares na carreira, ascensão e novas perspectivas de futuro.

Ser focado faz parte de um aprendizado, não é um comportamento que brota da noite para o dia. Mas algumas atitudes podem contribuir para acrescentar a capacidade de foco na personalidade de todo estudante ou profissional, veja:

  • Não postergar e não procrastinar.

  • Começar pelas tarefas mais difíceis, encarando os maiores desafios antes de tudo.

  • Organizar bem o tempo, mantendo espaço para lazer, atividades físicas e horas suficientes de sono.

  • Ter um planejamento diário para criar uma rotina produtiva e, ao mesmo tempo, ter planos a longo prazo que possam garantir o aprimoramento contínuo.

  • Zelar pela inteligência emocional, reservando um tempo para contato com amigos e família.

  • Ter novos sonhos para o futuro, isso manterá o estudante e o profissional focados em algum objetivo mais adiante e o motivará a enfrentar as dificuldades diárias que levarão ao sucesso almejado.

  • Saber priorizar e dizer não sempre que necessário. Não aceitar qualquer exigência ou novas atribuições não é um demérito, é mostra de foco no que é importante. Não tenha medo de se comprometer, mas evite se sobrecarregar e não conseguir cumprir o que prometeu.

  • Conhecer seus limites e respeitá-los. Não somos máquinas, não precisamos ser perfeitos. Somos seres falhos e ter consciência disso, ao contrário do que se pode pensar, nos faz mais fortes e nos faz dar mais valor a cada momento de vida, a cada passo superado e a cada conquista alcançada.

3. Delegue tarefas sem autoritarismo

Vemos muitos treinamentos motivacionais que parecem tentar convencer os participantes de que eles podem, sim, ser super-heróis. Passando longe disso, neste post defendemos que candidatos e profissionais são seres humanos e eles exercerão muito melhor seu papel se tiverem plena consciência disso.

Humildade é uma virtude e ela ajuda estudantes e profissionais a se colocarem no seu devido lugar, o que saibam suas potencialidades, mas também suas limitações.

Assim, se pensarmos que tanto uma rotina de estudos como a profissional são cercadas de afazeres — às vezes muito além do que qualquer pessoa pode suportar —, fica mais fácil aceitar que não é vergonha pedir ajuda, recorrer a quem tem melhores condições de executar determinada tarefa ou, simplesmente, dividir o peso do piano.

Na verdade, compartilhar é um ato de sabedoria e o equilíbrio entre dar e receber precisa estar presente na jornada de todo candidato a um cargo público e a todo servidor.

Aí entra a capacidade de delegar. É difícil aceitar que estamos sobrecarregados e que precisamos de apoio, mas trabalhar esse ponto é fundamental. Desapegar-se de mitos que tentam nos transformar em seres sobre-humanos é questão de sobrevivência.

Então, finalmente, cai a ficha de que não somos donos da verdade, nem do mundo e nem detentores de todas as obrigações e de todas as responsabilidades do planeta. Ótimo! Mas ainda fica aquela dorzinha na consciência de que esse pode ser o caminho da displicência, do descaso e da omissão… Como se livrar dessa sensação?

Bem, realmente quem está habituado a assumir muitas responsabilidades enfrenta uma certa dificuldade em abrir mão do controle sobre todas as coisas. É preciso fazer um exercício de desprendimento e vamos listar alguns passos para se conseguir vencer essa barreira!

  1. Priorize tarefas para saber quais podem ser distribuídas para outros colaboradores. Quando se é concurseiro, manter o ambiente de estudo organizado pode tomar tempo e isso pode ser feito com auxílio de um familiar. No caso do profissional já na ativa, tarefas que não dependam exclusivamente do servidor podem ser atribuídas a outros membros da equipe.

  2. Escolha seus parceiros. Conhecer as habilidades de cada pessoa com quem se pode contar na divisão de responsabilidades é fundamental. E cada um terá algo a oferecer, então basta centrar nas aptidões individuais e direcionar adequadamente cada atividade, confiando que o melhor resultado será alcançado.

  3. Capacite seus colaboradores. Saiba reconhecer as dificuldades de cada pessoa que colabora com seus objetivos e, ao menor sinal de incapacidade, invista em aprimoramento e ofereça treinamento e capacitação. Não adianta querer cobrar resultado se as condições necessárias não são oferecidas. Não é razoável, nem justo.

  4. Não seja omisso. Esteja atento ao movimento de todos os envolvidos em responsabilidades, já que você é o principal interessado. Atue, sempre que necessário, corrigindo rotas e trazendo para os trilhos quem vai se desviando da rota traçada.

  5. Dê apoio. Não basta delegar e abandonar seus parceiros nas missões que lhe foram atribuídas. Ofereça apoio, esteja atento às dificuldades de cada um e busque o suporte necessário para que tudo saia conforme o esperado.

  6. Avalie a contribuição de cada um. Dê feedback, ajude no crescimento de cada colaborador. Delegar é um ciclo, que só se encerra quando quem ajudou, em um primeiro momento, é ajudado para que as próximas demandas sejam cumpridas com menos dificuldade e com mais qualidade e reconhecimento.

Neste ponto cabe uma ponderação: delegar é bem diferente de mandar. E mais diferente ainda de cobrar por cobrar. Passa longe da síndrome de autoridade, que considera que o mandante está acima do mandado.

Delegar é andar junto, colaborar sempre que necessário, estender a mão para oferecer apoio. E é bom aprender isso desde o início! Então se você está se preparando para a carreira de delegado, preste bastante atenção nisso. Autoritarismo é negativo e prejudica relações saudáveis de trabalho.

Saiba ouvir, compartilhar conhecimentos e receber feedback. Dedique-se a construir junto e não a agir pela vaidade ou pela falsa impressão de superioridade.

4. Tenha caráter

Imagine o tamanho da responsabilidade de um servidor público encarregado de zelar por direitos e garantias fundamentais dos cidadãos. Agora imagine essa função sendo exercida por um profissional mal caráter e descompromissado com a ética e a moral, que sucumbe às tentações do status e das facilidades que um cargo pode lhe oferecer.

Simplesmente inimaginável, não é? Bem, quem pretende ser um delegado da polícia civil precisa carregar valores e virtudes, como bondade, verdade e, especialmente, senso de justiça.

E a relevância de se ter princípios tão consolidados se justifica por um motivo simples: o cargo de delegado carrega, em sua natureza, uma boa dose de poder. Ele pode decidir o destino de cidadãos, definir restrições à liberdade de indivíduos e, assim, influenciar a vida de pessoas.

Toda essa autoridade só pode ser exercida por quem tem clareza de sua supremacia e consciência plena de que ser um homem de valor é muito mais importante do que ser poderoso. Nessa perspectiva, é preciso distinguir prestígio de reconhecimento, medo de respeito e autoridade de liderança.

Um profissional na posição de um delegado precisa inspirar pessoas, a partir de uma atuação idônea, inquestionável e dedicada ao bem maior da coletividade. Assim, o valor de um profissional não pode ser medido por seu status ou seu cargo, mas sim pelo seu caráter e reputação.

E caráter pode ser entendido como revolta perante injustiças, simplicidade, altruísmo, honra, dignidade e verdade. Complexo não? Mas perfeitamente viável e uma postura que deve ser perseguida por todos, mas especialmente por quem busca ocupar cargos públicos, cuja principal responsabilidade é oferecer à sociedade condições de um presente digno e de um futuro melhor.

5. Atualize-se sempre

Agora imagine-se aprovado em um concurso para delegado de polícia. Caia na real e assuma toda a importância desse voto de confiança que o Estado está te concedendo. Entenda que da sua atuação dependerão os rumos da vida de muitas pessoas, especialmente quando lhe couber lançar mão de prerrogativas do cargo, como limitar a liberdade de alguém.

Agora pense no quanto o mundo evolui. As transformações são rápidas, tanto sociais quanto culturais. Considere isso para conscientizar-se de que ser aprovado não é suficiente, será necessário estar sempre atualizado para que as respostas às necessidades coletivas sejam sempre o mais ágeis e adequadas.

Exercer um cargo que acumula funções técnicas do Direito com as características do Judiciário é uma responsabilidade tremenda e por isso os conhecimentos precisam estar sempre alinhados com as melhores práticas profissionais e com a moral vigente.

Dizem que assumir uma delegacia é praticamente um sacerdócio, caracterizado por entrega, vontade de fazer o melhor e disposição, apesar de todas as dificuldades e sacrifícios envolvidos – um deles é o de buscar sempre a reciclagem de conhecimentos, mesmo que o tempo falte, mesmo que o cansaço consuma o corpo e a mente. Tudo vale a pena quando a vocação fala mais alto e a consciência de ser um agente transformador da sociedade alivia todo tipo de percalço.

Perseverança, esforço, talento, dedicação. Será que esses são os ingredientes mais importantes para se ter uma carreira pública de sucesso?

Bem, depende do seu conceito de sucesso. Você busca status, alta remuneração e subordinação das pessoas? Ou você quer ser útil, fazer a diferença e agregar valor com sua atuação profissional?

Considere o cargo de delegado. O que vale mais, ser autoritário e tratar a todos com a superioridade que a função pode oferecer ou agir corretamente, com senso de justiça e sempre buscar o melhor para quem se beneficia de sua atuação – nada menos que toda a sociedade?

Sinceramente esperamos que você esteja no segundo grupo. E que todo seu esforço na preparação para alcançar um cargo público seja recompensado com uma oportunidade de não só ser nomeado, como também de contribuir, de fato, para a melhoria da realidade das pessoas.

Ser vocacionado é algo desejável em todas as carreiras, mas, especialmente naquelas cuja dinâmica influencia diretamente a vida em sociedade, esse requisito se torna importante. E isso não significa ter um dom inato ou ter nascido com uma missão. Significa ter consciência de seu poder de influência e da relevância de seus atos e decisões sobre os caminhos de terceiros.

O aspirante a delegado de polícia consciente de seu papel pode trazer contribuições importantes à dinâmica social. Vale a pena se dedicar a uma função tão nobre, vale a pena lançar mão de todos os recursos para alcançar o sucesso em concursos. Será gratificante olhar para trás e ver que todo investimento serviu e que os frutos serão colhidos pelo, agora, delegado da polícia civil. Persevere! A vitória virá!

Qual sua vocação? Pretende contribuir para uma sociedade melhor, mais justa, menos violenta e mais igualitária? Já pensou em ser delegado de polícia? Gostou das dicas deste post e gostaria de dar sua contribuição para que os aspirantes ao cargo possam se preparar? Nosso espaço de comentários é todo seu. Fique à vontade!

 

Sobre Concurseiro Paulista

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo site Concurseiro Paulista que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.